Com lei que proíbe Uber, taxistas aumentam vitórias na gestão Haddad


Márcio Pinho
G1 São Paulo 

                                                            
Com a sanção da lei que proíbe o uso do aplicativo Uber em São Paulo, os 33 mil taxistas da capital conquistaram na última quinta-feira (8) mais uma vitória nos últimos anos. Boa parte delas foram em questões envolvendo diretamente a Prefeitura de São Paulo, como a permissão para trafegar na faixa exclusiva de ônibus.
Para lutar contra o aplicativo, parte da categoria se mobilizou e fechou as ruas em volta da Câmara de São Paulo em setembro para a votação do projeto que proíbe aplicativo e fechou o viaduto do Chá na quinta para o anúncio do prefeito Fernando Haddad sobre a sanção ou veto à lei. Houve até quem tentasse invadir o prédio da Prefeitura de São Paulo.
As quedas de braço com a atual gestão, porém, não são de hoje. Elas começaram em 2013 com a construção das faixas exclusivas de ônibus já no primeiro ano do prefeito Fernando Haddad (PT) diante do governo municipal.
Em setembro de 2014, uma nova conquista para a categoria foi anunciada por Haddad e Tatto. Desta vez, novamente em relação às faixas exclusivas (à direita). A liberação deixou de ser apenas para algumas avenidas, como a 23 de Maio, e passou a valer para todas as faixas exclusivas da cidade.
As principais avenidas da cidade ganharam esse tipo de faixa à direita, e os taxistas tiveram de disputar um espaço menor deixado para o restante dos automóveis. A medida revoltou a categoria, e muitos taxistas decidiram não “poupar” o prefeito e passaram a criticá-lo para os passageiros.
A categoria, porém, logo se viu diante de um problema mais urgente para resolver. O Ministério Público de São Paulo obteve uma liminar em agosto de 2013 que impedia a Prefeitura de conceder novos alvarás e renovar os antigos e ainda obrigava a administração a realizar uma licitação para escolher os taxistas da cidade. A ação foi movida após o promotor Silvio Marques receber denúncias de pessoas que diziam ter pago para donos de licenças para atuarem como taxistas – o que é ilegal.
A Prefeitura e o Sindicato dos Taxistas Autônomos recorreram. Em janeiro de 2014, a Justiça atendeu o pedido da Prefeitura e reconheceu o direito da administração de renovar os alvarás. Em março daquele ano, nova decisão derrubou a obrigatoriedade da realização de uma licitação.

Faixas exclusivas
Quatro dias depois, os taxistas tiveram outra boa notícia. A gestão Haddad decidiu liberar os táxis na faixa exclusiva do corredor Norte-Sul, considerada uma via fundamental pela categoria em razão de nela estar o aeroporto de Congonhas. Também foram liberadas as faixas das avenidas Indianópolis, Corifeu de Azevedo Marques, Sumaré e a das marginais Tietê e Pinheiros.
Em dezembro de 2013, a Secretaria dos Transportes tinha concluído um estudo a pedido do Ministério Público apontando que os táxis não deveriam circular nos corredores porque atrapalhavam os ônibus. Os coletivos tinham média de 6 km/h em razão da presença dos táxis, segundo a prefeitura. Na Avenida Rebouças, havia quatro táxis para cada ônibus, de acordo com o estudo.Ainda neste dia 14 de março, em coletiva de imprensa no Ministério Público com a presença do secretário de Transportes, Jilmar Tatto, os taxistas obtiveram uma conquista parcial para outra queda de braço com a Prefeitura de São Paulo. Eles tiveram autorização para usar os corredores de ônibus (que ficam à esquerda), com exceção dos horários de pico (das 6h às 9h e das 16h às 20h).
“Se constatou o que é olhos vistos. Tudo que entra no corredor atrapalha o ônibus. A gente só não sabia o quanto. E verificamos que 1% dos usuários de carro atrapalham 99% dos usuários do transporte coletivo”, afirmou o secretário Jilmar Tatto à época.
O promotor Maurício Ribeiro Lopes chegou a afirmar que a Prefeitura de São Paulo tinha 45 dias para derrubar a permissão de circulação dos táxis nos corredores dada em 2004 pela então prefeita Marta Suplicy dias antes das eleições municipais daquele ano. Três meses se passaram, porém, até o anúncio da decisão final, com final mais favorável aos taxistas.

Em setembro de 2014, uma nova conquista para a categoria foi anunciada por Haddad e Tatto. Desta vez, novamente em relação às faixas exclusivas (à direita). A liberação deixou de ser apenas para algumas avenidas, como a 23 de Maio, e passou a valer para todas as faixas exclusivas da cidade.

Uber
A mais nova vitória da categoria foi a sanção da lei aprovada pela Câmara em setembro que proíbe aplicativos para o transporte individual de passageiros em carros particulares, caso da Uber, considerado uma ameaça pelos taxistas. A concorrente continua atuando com base em uma liminar da Justiça, que entendeu que o serviço pode ser prestado na cidade. Apesar de a liminar, a Prefeitura de São tem fiscalizado e combatido o uso do aplicativo na capital.
A administração afirma que a Uber pode continuar existindo, mas sob regulação. A opção oferecida é a criação de uma nova categoria, o táxi preto, que vai atender apenas por aplicativo. Cinco mil novos alvarás serão sorteados. A Uber, porém, já afirmou que não é um serviço de táxi e que não vai participar do sorteio. Já taxistas que esperam há anos por uma regularização deverão participar.
“Foi uma medida maravilhosa do prefeito”, afirmou o presidente do Sindicato dos Taxistas Autônomos, Natalício Bezerra, em entrevista ao G1. O sindicalista, porém, condenou a mobilização com tentativa de invasão à Prefeitura na última quinta. Ele diz que a Uber é uma organização clandestina que afronta as autoridades brasileiras e que precisava sofrer essa proibição. O sindicato ainda briga na Justiça para derrubar a liminar que autoriza o aplicativo a operar.
Enquanto não há uma decisão favorável, Bezerra comemora as várias conquistas dos últimos anos e diz que a Prefeitura e os taxistas vêm atuando em várias ações que vieram de fora do “poder público”. Foi o caso da ação do Ministério Público pela realização de uma licitação para definir os taxistas habilitados a trabalhar na cidade. “O sindicato entrou com uma ação, o prefeito entrou com outra. Foi uma ajuda muito grande do prefeito, disse Bezerra.
Atualmente, o sindicalista elogia as faixas exclusivas de Haddad mesmo a contragosto da categoria e diz que elas beneficiam a população da periferia. Ele pede aos taxistas que evitem comentários para os passageiros em relação ao prefeito e outros governantes.
“O taxista não pode hoje falar mais alguma coisa do prefeito. Eu até recomendo à categoria acabar com esse negócio de tecer comentário sobre autoridade. Subiu no carro, não sei quem é. O prefeito é bom? É maravilhoso. O governador é bom? É bom. O presidente da República é bom? é bom”, afirma.
Haddad
Questionado sobe uma possível preocupação da Prefeitura sobre o poder de mobilização dos taxistas e sua influência na opinião pública, o prefeito Fernando Haddad refutou a possibilidade nesta sexta-feira (9) e afirmou que a recente criação de uma nova categoria é consequência de um fato novo [o surgimento da Uber] e que ela não estava no “horizonte”.
Haddad afirmou ainda que o papel da Prefeitura é mediar. “Nosso papel é buscar mediações, evitar conflitos na cidade, trazendo inovações, oportunidades para o cidadão”.
O prefeito voltou a afirmar que a Uber não poderia continuar atuando sem regulação porque essa ausência de obrigações para com o poder público trouxe problemas para a cidade no passado. Haddad disse ainda não considerar “justo” que 40 mil taxistas que estão na fila do alvará do táxi sejam prejudicadas com uma regularização da Uber.
O prefeito comentou ainda a negociação com o Ministério Público que culminou numa flexibilização da proibição da presença dos taxistas nos corredores de ônibus dede 2014.
"Nós testamos, e levamos ao Ministério Público uma solução intermediária de que eles pudessem usar nos entre picos os corredores também, e o Ministério Público acatou. Nós fizemos um esforço para melhorar o serviço de táxi, e é reconhecidamente um bom serviço. Você hoje transita de táxi em São Paulo com muito mais facilidade do que no passado”, diz.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

VALORES DAS TAXAS PARA RENOVAR ALVARÁ

Gabriel Diniz foi vítima da Uberizacao do transporte

VEJA A LISTA DOS CONTEMPLADOS NO SORTEIO DE PONTOS DE TÁXI